Bárbara
Chico Buarque - Ruy Guerra/1972-1973
Para a peça Calabar de Chico Buarque e Ruy Guerra



  Anna:  Bárbara, Bárbara
Nunca é tarde, nunca é demais
Onde estou, onde estás
Meu amor, vem me buscar

  Bárbara:  O meu destino é caminhar assim
Desesperada e nua
Sabendo que no fim da noite serei tua

  Anna:  Deixa eu te proteger do mal, dos medos e da chuva
Acumulando de prazeres teu leito de viúva

  As duas:  Bárbara, Bárbara
Nunca é tarde, nunca é demais
Onde estou, onde estás
Meu amor vem me buscar

  Anna:  Vamos ceder enfim à tentação das nossas bocas cruas
E mergulhar no poço escuro de nós duas *

  Bárbara:  Vamos viver agonizando uma paixão vadia
Maravilhosa e transbordante, feito uma hemorragia

  As duas:  Bárbara, Bárbara
Nunca é tarde, nunca é demais
Onde estou, onde estás
Meu amor vem me buscar
 
* Trecho abafado por aplausos, na gravação, em função da censura


1972 © by Cara Nova Editora Musical Ltda. Av. Rebouças, 1700 CEP 057402-200 - São Paulo - SP, Marola Edições Musicais
Todos os direitos reservados. Copyright Internacional Assegurado. Impresso no Brasil
 

Veja outras músicas em ordem alfabética
Anterior
Próxima