BMG - 2004

  
DVD Chico ou o país da delicadeza perdida - 2003

Com direção de Walter Salles e Nelson Motta, o show documentário O País da Delicadeza Perdida atendia a encomenda da TV RF3, francesa. Foi filmado em 1989 e exibido no ano seguinte. A extinta TV Manchete chegou a apresentar o programa no Brasil, mas até o ano passado não se havia cogitado em lançamento comercial do belíssimo trabalho, que comemorava os 25 anos de carreira do compositor.
No centro do documentário, um show, com nove músicas (mais quatro de bônus) gravado na Fundição Progresso, no Centro do Rio, ali quase sob os Arcos da Lapa. O antigo prédio onde funcionou uma fundição, transformado há mais de 20 anos em centro cultural, com altíssimo pé-direito e janelões enormes, oferece uma formidável visão da cidade. De um lado, o Rio de agora, o oficial, com seus prédios públicos de arquitetura arrojada, pós-moderna; girando-se o corpo, vê-se o aqueduto dos Arcos, o casario de Santa Teresa, a cidade boêmia cantada freqüentada por malandros verdadeiros, prostitutas, jogadores, que Noel cantou e onde Manuel Bandeira morava.
Os dois planos convivem. As duas cidades existem. Walter Salles e Nelson Motta não escolheram o cenário por acaso. Quiseram mostrar, com as músicas, que o repertório de Chico mudou, ao longo dos anos, como mudou a cidade, como mudaram as cidades. Na Lapa boêmia convivia (e hoje volta a conviver) a classe média com os pobres, os malandros, a gente do morro - em eventual contraste, mas não confronto, como diz Chico.
A outra cidade não permite essa convivência, mesmo que tenuamente equilibrada. Ela é hostil a quem não segue suas regras estritas - e ela domina a vida da urbe. Não há nela pequenos delinqüentes, mas grandes ladrões de cifras bilionárias - rapidamente transformadas em dólares. É um trabalho inteligente e sensível, que mostra trechos de filmes para os quais Chico escreveu músicas e tem belo texto em off narrado por Paulo José. Termina com Chico dizendo: "Eu acredito.